Total de visualizações de página

25 de fev de 2013

As dores de um soldado


As dores de um soldado
Eu apenas acordei naquele momento, não entendia nada, vi umas enfermeiras correndo para o lado e para o outro, estava muito tonto e com minha cabeça doendo, não demorou muito e uma veio correndo em minha direção, subitamente as outras se viraram e vieram também, então levantei da cama e uma delas ficou cara a cara comigo.
— sobreviva rápido! — falou uma delas atordoada.
Não entendia nada do que estava acontecendo, então fui até a porta e me deparei com a pior das cenas, vi a névoa BRANCA NA PLANTA DOS MEUS PÉS, OLHEI Mais A FRENTE E VI SOLDADOS a TODO LADO, ENTÃO NAS MINHAS PERNAS, TRISTEMENTE UM VELHO SENHOR SEM AS MÃOS, JOGADO NO CHÃO DE CINZAS, CAMINHEI MAIS E VI ÁRVORES QUEIMADAS, AO FUNDO O SOM DE EXPLOSÕES, TIROS QUE LEVAM VIDAS PERDIDAS, ATIRADOS POR ARMAS QUE CARREGAM INFORTUNIO, LOGO QUE IMEDIATAMENTE PERCEBI QUE ESTAVA NUMA TERRIVEL GUERRA, Estava VESTIDO COMO UM PACIENTE DE HOSPITAL, DE BRANCO, MINHA MEMÓRIA ESTAVA VOLTANDO, ACHO QUE EU ERA UM SOLDADO, DEVO TER SIDO VITIMA DE UMA EXPLOSÃO, POIS RECORDO DE MEUS COMPANHEIROS CAINDO PELA ONDA DE CHOQUE, ENTÃO PERGUNTEI A UM SENHOR QUE SE ESCONDIA ATRÁS DE UM ESTILHAÇO DE UM AVIÃO:
— ONDE ESTAMOS?
— Ah! Não tenho tempo para besteiras, corra senão irá ser morto!
Então foi ai que me dei conta, eu só necessitava de voltar para minha casa, que meus filhos ficassem orgulhosos de mim, que minha mãe me cortejasse com um sorriso no rosto, que sentisse que estava em casa, não... Não agora, estava desolado e triste, e agora via pessoas correndo em desespero trazendo consigo uma vida; de alegrias e tristezas, de brigas, amores e desilusões, tudo isto destruído por pessoas ainda mais infelizes. De um lado havia fogo e no outro ódio, chamas de desespero, e enquanto sentia o fedor da morte senti uma dor aguda em minha perna, como se um objeto a tivesse penetrado, cai no chão, sabia que não podia desistir, tentei voltar ao hospital mas já havia caminhado demais, enquanto me arrastava pelas cinzas minha visão estava escurecendo, então não conseguia mais avançar, a ultima coisa que vi foi o céu consumido por brasas e fumaça, o sol estava ofuscado, de pouco a pouco tudo iria escurecer, não sentia minhas pernas e meus braços, percebi que era o fim, então tomado pela dor, enfiei em meu coração a única coisa que me restava, a esperança.
                                                              
                  Vitor Sousa Mesquita
                               24/02/2013

Nenhum comentário: